Mostrando postagens com marcador Filosofia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Filosofia. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de março de 2016

FIM DE TARDE...




Fim de tarde...
A lua brinca de surge/esconde por entre as densas nuvens.
As nuvens ameaçam chuva mas o vento espalha... elas voltam... vento espalha.
Nesse faz de conta a noite vai tomando seu lugar...
Como a vida - efêmera e tudo passa... sol, lua, nuvens, chuva.
Tudo passa!

OZEAS CB RAMOS

domingo, 28 de fevereiro de 2016

SERIA ABSURDO SE NÃO FOSSE NO BRASIL...


CLIQUE E LEIA A MATÉRIA

http://www.dn.pt/sociedade/interior/literatura-portuguesa-deixa-de-ser-obrigatoria-no-brasil-5039149.html

SERIA ABSURDO SE NÃO FOSSE NO BRASIL...


Pode vir travestido de quaisquer porquês, imbuídos de tantos sentidos, todos bons ou ruins. Pode não faltar ideias e muito menos ciências nesses propósitos... Mas ele é tão absurdo, tão sem "noção" que a gente aqui, pobres e reles mortais sem a vênia do conhecimento desses ilustres, ficamos a "pensaire": Oh! portuga, a piada da vez somos nós!!!

Esses "ilustres" agem como se dizia:

- Deixa, deixa por apenas a cabecinha... não vou meter toda e vou gozar fora!

Com esses argumentos vão encaixando as suas "inovadoras" descobertas de cunho científico. Umas a gente berra e eles recuam. Outras de tanto insistirem deixamos passar sem a crítica correspondente.

Para esse e outros absurdos o correto mesmo é ser ANACRÔNICO.

Ao final da matéria há uma alusão ao Policarpo Quaresma: saporra deveríamos aprender e falar o guarani... Com tantos idiotas atuais ressuscitamos até os mortos ficcionais...


OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

OBVIEDADE ULULANTE – MAS NEM SEMPRE...



OBVIEDADE ULULANTE – MAS NEM SEMPRE...



Calma! Calma. Não tratarei de nenhum molusco ou político...

Lendo a cada dia os principais jornais/portais da internet fico com uma sensação nada confortadora. Não digo depressiva, mas como se fosse.

Dê agora uma olhada ainda que rápida nos portais de sua preferência. No primeiro momento evite as notícias banais, como aquelas que tratam das separações dos famosos, da preparação das musas para o carnaval e como essas conquistaram aquele corpo exportação, e ainda, as novidades do novo bbb (minúsculo mesmo).

Pense enquanto lê as demais notícias de modo genérico e global e responda para si mesmo: que humanidade é essa?

Existem duas humanidades possíveis. A nossa, que segue o nosso olhar (particular) sobre o homem e, em seguida, a humanidade real. Você ainda pode ponderar que uma notícia é apenas uma parte de verdade e eu terei que concordar. Isso aqui é assim uma obviedade.

Insista nesse olhar... E vá mais adiante.

Caminhe pela política global e mantenha o foco no(s) SER(es) HUMANO(s).

Em seguida, pela economia.

Por aspectos ligados à nossa relação com o meio ambiente.

E cheguemos ao pensamento religioso. Esse que deveria (dado a seu aspecto mais abrangente e transcendente) melhorar o ser humano e elevá-lo a outra condição, outro patamar, à medida que os anos passam. 

Com todas essas observações feitas a partir do noticiário, a imanente humanidade, como algo que diferencia o ser homem dos demais animais, como que desaparece. Aquela humanidade incipiente que alimentamos a partir do próprio olhar esvai-se. Parecemos tudo, menos seres humanos.

Por um instante responda: o que é o homem? O que é ser HUMANO? Quais características seriam usadas para que você descrevesse a sua visão do que é o homem?

Retome seu pensamento e compare com o que acabou de ler nos jornais...

Assim a obviedade ululante é menos explicita.

Se, e aqui eu peço a sua atenção para esse SE...

Se a sua definição enquanto resposta (à pergunta - O que é o homem?) contiver algo de metafísico, essa sequência de SE tornar-se-á pertinente.

Se fomos criados por um(a) divindade(s), qualquer que sejam seus postulados, a impressão ante às notícias é de que o chamado ser humano, apesar desses milhares de anos, ainda não reflete essa origem divinal. Estamos mais próximos de um animal, de um monstro... E nem me falem em céu. Devo lembrá-los que até lá já houve uma rebelião!

Se a sua crença for baseada na teoria da evolução, a sensação é que estamos involuindo. E como sempre diz um grande amigo “o homem é o pior vírus”. Possuímos uma característica que nasce latente: capacidade de autodestruição e a consequente destruição em derredor.

Marx * em uma crítica a Feuerbach disse:

Filósofos se limitaram a interpretar o mundo de diversas maneiras; mas o que importa é transformá-lo". Obviamente a filosofia, a política, a economia e a religião... Mas em relação ao ser chamado humano, nenhuma dessas obviedades são suficientes para fazê-lo melhor.

A solução além do pessimismo filosófico é manter a visão mais limitada, regionalizada do homem. Mais simplória e menos depressiva. Ainda que mais empobrecida do ser...


OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966


* https://pt.wikipedia.org/wiki/Teses_sobre_Feuerbach

domingo, 27 de dezembro de 2015

FILME - A VIDA DE BRIAN - Uma sátira...


A VIDA DE BRIAN - Uma sátira...

(vou logo avisando)



"O que que você tem a perder?
Olha, você veio do nada... vai voltar pro nada
O que que você vai perder?
Nada!
Nada virá do nada, já diziam".
https://letras.mus.br/monty-python/1213703/


VÍDEO:


 FILME NO YOUTUBE



"A Vida de Brian, no original inglês Life of Brian, é um filme dos Monty Python realizado em 1979 por Terry Jones, membro do grupo. O seu argumento baseia-se numa sátira à época de Jesus Cristo e é considerado blasfemo, por uns, e genial, por outros.
O filme é controverso devido a sua combinação de comédia e de temas religiosos".
https://pt.wikipedia.org/wiki/A_Vida_de_Brian



OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

FILOSOFIA DE ALMANAQUE


FILOSOFIA DE ALMANAQUE



Se a pessoa com quem você compartilha seu mundo, traz e deixa próximo a você uma xícara com café enquanto você lê um livro integralmente concentrado, e sai sem dizer uma palavra...
Véi! Essa pessoa te ama MUITO!


Porém, se retornar trazendo uma barra de chocolate, repetir o gesto deixando a seu lado sem nada reclamar, pedir, etc...

Pare essa p#rr@ de leitura! As intenções podem não ser as piores...



domingo, 6 de dezembro de 2015

INÚTIL VIVER ASSIM

INÚTIL VIVER ASSIM


loucura absurda intemporal
em tempo de muitos loucos
muitos se matam para terem tudo
alguns morrem de fome e nada
nada muda... só endereços.

em fila colocam o dedo na ferida
do buraco do outro próximo
nu outro buraco
que é o próximo depois de si
do ser que imbele em si.

inútil viver assim
sem ver, sem sentir
descerebrado sem raiz
cujo pão não vem do chão
querendo ruminar um fim.

OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

A VIDA ANDA CHATA e cheia de mimimi


A VIDA ANDA CHATA

Ou como dizem por aí - cheia de mimimi.

Está cada vez mais complicado e chato viver essa moda do "politicamente correto" que entre tantas coisas incluem a "histeria de gênero" (leiam Pondé no Folha).

É como se pensassem assim:
Tudo dantes no país de Abrantes está errado. É preciso e urgente dar visibilidade e liberdade de expressão a TUDO que é minoritário para que a humanidade inteira possa então ser feliz, completa, evoluída e IGUAL.

Não discordo da necessidade de entender, aceitar e incluir as diferenças. Também não discordo da urgente importância da educação para que vejamos o outro de uma maneira mais humana, branda e receptiva. Agora (PAREM AS MÁQUINAS) acreditar que na marra essas mudanças ocorrerão e phod@am-se os contrários é dar munição aos sonaros, cianos, etc, e aumentar a resistência. E essa birra generalizada está “dando nos nervos”... até o ursinho Pooh é fêmea!, como se essa “descoberta” abrisse os olhos para a questão do gênero.

A histeria, e eu concordo com o termo usado por Pondé citado acima, ocorre quando ao extremo, em falando da questão do gênero, criam-se filhXs (olha o medo? X=filhos/filhas) como não reconhecendo a genitália (eu sei, muitas possibilidades entre as pernas com mutações, etc...) e deixando o rebentX (o/a) viver uma vida INdefinida até que esse possa definir qual gênero mais lhe apetece, é no mínimo EXAGERADA.

(Não me venham culpando a esquerda (mundial) como tendo um projeto de desvalorização dos conceitos milenares da família, blá blá blá).

O tempo é outro. Um novo momento. Mas está uma forçação de barra do c@r@lhw. Não aceitar, não entender, não compactuar é sinal de doença. Ser conservador é erro muito grave, é ser retrógrado, reacionário, ultrapassado, é estar na contramão da história. Os meninXs que antes eram oprimidos, agora transformam-se em opressores.  Fazem como disse certo técnico “vocês vão ter que me engolir”. E não é bem assim que a banda toca. Tá uma confusão do diabo!

Necessário entendimento!
Urge entender toda a problemática envolvida em torno desses e de outros temas, como bullying, aborto, feminismo, casamentos, famílias, laicidade, gênero e suas implicações no dia a dia.

No passado, a humanidade esqueceu de escrever na porta: Entre sem bater. Agora sem uma placa alguns arrombam a porta. Nem abrem, nem batem antes. Apenas querem por abaixo.

A porta existe. O outro existe. Precisa ser respeitado, aceito como ele é e incluído. O conservador também existe e igualmente precisa ser respeitado. E vai coexistir o modernX e o conservador. As diferenças sempre existirão. Não dá nem para suportar uma vida a ser vivida sem o contraditório. Ou aprendemos a respeitar ou não seremos respeitados. O conservador precisa levantar-se e ir à porta para abri-la. O modernX precisa entender que atrás da porta também existe um ser humano e que a porta não precisa ser derrubada.

Educação, inclusão, respeito, diálogo. Porém sem mimimi...

Aguardo a sua opinião!



OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

SENSACIONALISMO BARATO?


Essa é antiga. E demonstra como a visão externa de um fato, pode em sua narrativa alterá-lo até em sua essência. É, mais ou menos, como alguns jornalistas, alguns até destacados em sua profissão, narram as suas verdades. Por si só, descrever aquilo que se vê não garante a exatidão. Não carrega a verdade nessa narrativa. Quando muito, parte dela.

A estória aconteceu mais ou menos assim:

Uma senhora foi ao açougue comprar algo para preparar para o almoço. Chegando viu que o fígado estava com ótima aparência e pediu ao açougueiro que cortasse um quilo. E ele assim o fez.

Pesado, embrulhado [é companheiro (a) antigamente era em uma folha de jornal] entregou o pedido.

Atarefado com o atendimento dos demais clientes, esqueceu-se de cobrar. A senhora envolvida por suas demais tarefas a cumprir saiu sem pagar a compra. Mera distração sem nenhuma maldade envolvida.

Quando finalmente o açougueiro percebeu (lembrou) que não havia cobrado e, não havendo outros clientes para atender, saiu às pressas atrás da senhora. Saiu como estava - com o jaleco sujo e com a sua faca na mão.

Encontrado-a pediu-lhe gentilmente a quantia esquecida. Ela confusa, afirmava que havia pagado e que jamais sairia sem pagar. Nessa confusão despretensiosa criada pelo acaso, ele perde a cabeça, toma de volta o embrulho com o fígado e retorna para o açougue.

Como uma estória, ela carece de maiores detalhes e de uma máxima em si.

Porém esse evento, posteriormente narrado por uma testemunha ocular dos fatos, saiu assim:

Açougueiro furioso armado com uma faca corre atrás de uma senhora e arranca-lhe o fígado!

É desse modo que as coisas são passadas a diante. E nossa imprensa está cada vez mais especialista em dar notícias assim.

É preciso ler as manchetes, ler o conteúdo, se possível ver a mesma notícia em outro (s) jornais e revistas. Depurar tudo. O sensacionalismo está em alta em nosso país. Como se não bastasse a possibilidade do engano natural ainda há os que noticiam movidos por interesses pessoais, partidários, etc.



OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966

APRENDEREI


Eu aprenderei ainda um instante antes do tocar da sirene anunciando que não haverá mais aulas.
Quando todos começarem a correr numa alegria dissonante e não apreciem senão a beleza de correr sem olhar atrás.
Com sorte terei tempo de fechar a grande porta.

OZEAS CB RAMOS

sábado, 31 de outubro de 2015

PRIMEIRA VERDADE INEXORÁVEL – 1/3


A vida sempre aperta os parafusos.

A vida é. Carrega imanente a absolutez. Esse atributo é tanto a sua essência quanto a sua beleza e singularidade. E quando essa madona cisma em apertar um vivente...

Ajudada pelos próprios erros cometidos no passado e que se avolumam e descem a ladeira da vida criando uma avalanche, ou por gente bandida que se apraz em destruir, caotizar vida alheia, ou mesmo por circunstâncias que surgem ao acaso e que se constituem causas naturais.. Muitas são as causas. Mas a vida sempre aperta nossos parafusos.

Quando não ocorre dela apertar utilizando-se de catraca, de chave mecânica ou de parafusadeira. Para arrochar além do torque aparentemente suportável.

É quando digo: Miséria pouca é bobagem. Porque miséria para ser miséria, só muita miséria.

Enfim, há momentos que a gente enxerga tudo, menos a saída de uma situação mais complicada, de tão complicada que ela se apresenta.

É como se a vida desejasse soldar uma porca em nossa vida. Como porca e parafuso tornando-se um de tão justo que foram apertados.

Eu acho engraçado quando isso acontece. A gente até pensa se ainda pode ser pior, ficar pior do que está.
A vida sabe a resposta:
Sempre pode piorar.
Ou não...


OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

SEGUNDA VERDADE INEXORÁVEL – 2/3



O tempo é senhor de tudo.

Nesse tempo tecnológico, da internet rápida e de fácil acesso a pelo menos metade da humanidade, das redes sociais fazendo um papel que no passado coube aos bates papos nas portas e praças, muito se reproduz, se copia, dado às facilidades. E como se reproduz coisas sem nenhuma importância. Copia e Cola. Compartilha. E lá vai as bobagens multiplicando-se rede adentro. Criar é terreno pouco explorado. Dá trabalho e aumenta o risco do insucesso.

É uma prateleira farta de coisas prontas. É pegar e usar. E mesmo nesse universo que idiotiza e infantiliza uma maioria, a gente encontra serventia para algumas coisas. Um exemplo disso são as muitas frases lugar-comum. E como tem gente que gosta delas! Usam-nas mesmo quando não há aplicação aparente. Uma dessas:
O tempo é senhor de tudo!

Frase que tem suas muitas variantes:
O tempo cura tudo.
Nada como dar tempo ao tempo.
E por aí vai...

Ta aí um axioma inexorável! Tanto que eu não reconheço outro senhorio, e tão absoluto quanto do senhor tempo.

Ele não pede licença; abre passagem e segue. Ele não lamenta, nem faz rogos. Se as coisas não estão bem, danem-se. Se há um mar de felicidade, fod@m-se.
Ele sim é senhor. Tantos dos bons, quantos daqueles nem tão bons. E dá a ambos, tratamento igual.

O senhor tempo só conhece um destino:
O FIM!


OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966



LEIA TAMBÉM:

TERCEIRA VERDADE INEXORÁVEL - 3/3

terça-feira, 27 de outubro de 2015

TERCEIRA VERDADE INEXORÁVEL - 3/3

A VIDA É IMPESSOAL


Quando reclamamos da vida personificamos o impessoal.

Usando expressão de Fernando Pessoa "o espasmo essencial" que traduzo como dor da vida e da existência, é em si, uma alta conta que pagamos a todo instante. Meramente por existir.

Mas esse permanece imaterial, impessoal. Logo não dá a mínima para as lamentações do ser. Essa cruel constatação chama-se finitude e ela nos define.

Portanto, a atitude face a indiferença da vida, seja frente aos momentos de colisão cósmica em que um vivente experimente a dor, o sofrimento, as vicissitudes naturais de maneira mais acentuada, deve ser de moderada resignação. Reclamar que seu umbigo sofre muito mais além do suportável é uma pobre e miserável tentativa de exaltação de si mesmo. É reclamar valor para a sua existência em detrimento de tantos outros que assim tornam-se menos merecedores.

Urge cultivar a paciência. Em respeito ao cerimonial natural que perpassa por igual a todos os viventes. Se você intui e percebe essa passagem é por que graças à vida, seu nome ainda consta em seus anais.

No "miolo do tempo" somos todos iguais. É dele, o tempo, as chaves...

Mas sendo assim, onde buscar o apoio para avançar naqueles dias em que se atravesse um "vale sombrio"?

Você terá disponível mais de dez mil seres antropomorficamente criados, se estiver em acordo com a sua natureza, ou, erguer a fronte, respirar profundo, olhar para os lados, perceber aqueles que caminham ao lado a mesma trilha. Seguir o "fluxo" e encontrar nos caminheiros a força necessária para avançar sempre. Seja em uma palavra, em um abraço, ou em um olhar. Seguir até que chegue o seu tempo!

No dizer pirata: Vamos marujos. Levantar âncora, içar as velas, desfazer as amarras.


Vamos. O horizonte está logo ali.


OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br


LEIA TAMBÉM: SEGUNDA VERDADE INEXORÁVEL - 2/3

domingo, 25 de outubro de 2015

ESTADO LAICO - RELIGIÃO DE FORA

Em julho/2015
ESTADO LAICO - RELIGIÃO DE FORA

No passado tínhamos matérias como:

Estudos Sociais
Educação Moral e Cívica - EMC
Organização Social e Política Brasileira - OSPB.


Se esses conteúdos já traziam implicações quanto a sua aplicabilidade em virtude de "ferir" as particularidades dos alunos no que tange as várias formações político-sociais das suas famílias de origem imaginem quanto ao campo das práxis religiosa?

Para que educação religiosa na escola ainda que seja limitada ao estudo da história das religiões? Isso é sem proveito algum. Desnecessário e sem utilidade.

Enquanto não tivermos um diálogo (coisa impossível pelo que vivenciamos até hoje) entre as muitas correntes religiosas, de onde emanam uma noção de proselitismo (idiota), é descabido e impeditivo que haja educação religiosa patrocinada pelo Estado.

Avancemos com a recuperação no sentido de termos um Estado verdadeiramente laico (por estado laico entende-se que esse não é ateu nem patrocina uma religião dita oficial).

Religião é assunto familiar-pessoal e não pode ser patrocinada com os recursos da nação.

É hora de maior atenção a estratégia dos vários grupos religiosos de avançarem suas trincheiras no campo político. Ação tão nefasta quanto foi a ação dos grupos do campo agropecuário e das armas...


OZEAS CB RAMOS

terça-feira, 20 de outubro de 2015

INSUSTENTÁVEL


POLÍTICA (de novo...)
‪#‎primaverabrasileira‬ ‪#‎nasruas‬ ‪#‎impeachment‬ ‪#‎política‬


Seriam 30 bilhões o déficit para 2016. Dois mil e dezesseis. Próximo ano... Aí, por conta de toda pressão midiática e da oposição (placebo) sobre as contas (rejeitadas) e as tão famosas pedaladas fiscais, o glorioso DESgoverno "resolve" que vai anunciar o rombo nas contas de 2015. Deixemos os 30bi de lado por um tempo pois teremos 50 bilhões de incompetência administrativa ainda em 2015.

Mentira - todos mentem;
Corrupção - todos corromperam/foram corrompidos;
Incompetência - todos foram incompetentes;
A merd@ está ruim por que todos fizeram merd@ no passado!!!
e por aí vai...

Esse discursinho de merd@as justificando a porr@ em que meteram o país é phod@.

Não temos que suportar a continuidade disso tudo. Essa pizza indigesta de: mentira+corrupção+incompetência=situação insustentável.

Na borda dessa pizza está recheio de: insegurança que só piora; falta de verba para educação que só diminui; desemprego que só agrava; saúde já era uma lástima, tende a ficar caótica; a conta da bagaça para a população bancar com impostos e inflação...

Para mim, pouco importa a porr@ da sigla que está à frente disso tudo. PT, PMDB, PSDB, PqP, Partido do C@r@lhW... Incompetência não é traduzida pela sigla e sim por uma ineficiência administrativa, sem gestão a não ser dos próprios interesses.

JÁ DEU! CHEGA!! BASTA!!!
Pelo Brasil é hora de mudar!
Essa turma aí no poder já deu o que tinha que dar.
Chegou a hora de repor o país nos trilhos.
Basta de tanta corrupção e incompetência!


OZEAS CB RAMOS

quinta-feira, 11 de junho de 2015

TEMPORANEIDADE, ETERNIDADE, PERDAS E LUTO.


(não leia sem antes bater na madeira, fazer uma prece...)

Perder alguém (algo/alguém) causa uma sensação de desagrado em nós. Perder é menos enquanto ganhar, nascer, surgir, é mais; afinal não somos orientais...

Na perda introspectamos a temporaneidade intrinca do Ser. Porque queremos mesmo é sermos eternos. Se há uma crença em mim, essa é a base da minha doutrinação e fé: o homem tem em si a necessidade da eternidade. Não por ser eterno, mas pelo medo incomensurável da morte. Morte enquanto fenômeno ininteligível, que atinge os nossos medos e impõe uma incógnita sem fim...

Somos impregnados de temporaneidade. O relógio do tempo, com seu desgraçado tica-tac, produz no homem uma loucura sem medida. E o que decorre disso são as crenças que amainam as inquietações do ser. Os mitos sempre presentes e as religiões. Nós precisamos “sentir” que seremos eternos. Esse sentir, dito transcendente, transforma a transitoriedade e a temporalidade em algo maravilhoso e mágico: a eternidade. E assim, como em uma equação, resolve esse dilema humano; ao menos em parte.
Quem não gostaria de ser eterno? Quem “flerta” com a eternidade tira de si o peso da transitoriedade. Permite tirar o foco da morte e consumir tempo e energia em outras atividades mais prazerosas e que colorem a vida, refrescam a existência... Não dá para competir. Finitude X infinitude. Transitório X eterno. Será sempre goleada em todas as eras ainda no porvir.

Mas o fato mesmo é que somos por um fio. Estamos por um fio. Existimos por um fio. O que passa disso são desejos da “alma”. Enquanto o sensível, o mundo sensível (Platão), físico, real, da ciência, nos impregna com a sua temporaneidade, sendo apenas o que dispomos enquanto seres cosmológicos, afetados pelo senhor TEMPO, não temos escapatória. E esse fato não é trágico, pois coloca o homem em meio ao fluxo natural e conhecido (razão) da existência. Somos finitos.

Toda vez que alguém/algo se perde no vazio da existência terrena ligamos nossa atenção com a crise que a perda produz. O luto dura alguns dias em nosso pensamento enquanto afeta as nossas ações. Muda toda a percepção da vida apontando para as vivências passadas com o objeto/pessoa que desapareceu e aponta para o amanhã. Na verdade para o nosso amanhã e o pessoal deixar-de-vir-a-ser.

Poucos falam da morte pessoal. “Batem na madeira”!!! A morte é a mais cruel das experiências. E como digo: natural. Assim como é natural a pedra, a unha, o embranquecer e ou cair dos cabelos, nascer, etc...

A chave para aceitar a infinitude é entender a existência como finita. O universo como finito. O antídoto para não aceitar é conhecido há milênios: aceitar/sentir o(s) amiguinho(s) invisíveis... Fato que não altera a correnteza da vida. Haveremos de experimentar a morte.

E eu desejo, do fundo do meu coração, que você experimente uma boa morte!
Pense nisso...

OZEAS CB RAMOS

terça-feira, 9 de junho de 2015

TUDO É FLUXO, RELATIVO E ESTÁ AINDA EMBAÇADO


Somos uma geração que "tenta" recuperar noções equivocadas do passado. Com a sorte de sermos a bola da vez com a infinita produção de conhecimento acessível para qualquer um por conta da tecnologia. Esse mesmo conhecimento e essa mesma tecnologia que nos aproxima de conceitos novos, revividos, antagônicos, isso tudo junto e misturado. Mas todos sem exceção submersos em um caráter de transitoriedade e relativismo. Como sempre foi.

Há um cientificismo corrente e a cada instante surgem descobertas das mais variadas áreas da vida. Há uma efervescência intelectual, com uma crescente e as vezes discrepantes proposições. Essa mesma "ciência" afirma ainda em outras tantas pesquisas sérias não ser necessário nem a figura de um macho e se isso não ocorreu no passado, há uma probabilidade de que venha a acontecer no futuro. Que ingerir café faz bem e noutro momento causas males sem fim. Só para citar...

A verdade é que ainda conhecemos MUITO POUCO a respeito do próprio ser. É como se vivêssemos ainda no jardim de infância do conhecimento sobre o homem em si. Sendo assim, cabem todo tipo de proposições prós e contras, e é desse modo que construiremos um entendimento mais preciso. E como somos fluxo nesse cosmos, é bastante possível que esse entendimento continue apenas relativo. É como quem vê por um espelho embaçado...

Tornemo-nos o melhor que possamos ser como pais, como cidadãos, como seres humanos, mas sem que isso implique em uma noção de perfeição. Nem aceitemos um manual prático do SER, que proponha em dez passos a vida correta.
As nossas imperfeições afetarão as nossas crias, o próximo de nós, a nós mesmos e por conseguinte a humanidade. E isso também faz parte desse aprendizado contínuo. Nosso e deles todos.

Tudo é fluxo. Tudo é relativo. Tudo ainda está embaçado...

OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966

sexta-feira, 5 de junho de 2015

ASSOCIAÇÃO DE ATEUS E AGNÓSTICOS


Outro dia tomei conhecimento de uma associação que reúne e representa ateus e agnósticos. No primeiro momento eu tentei entender porque uma associação dessa natureza e a qual fim ela destinava para justificar a sua existência. Foi depois de muito buscar essa valia que encontrei uma que parecia verossímil: dar visibilidade, unir e representar seus afiliados em especial contra um preconceito nada velado contra aqueles que tecem afirmações contraria a fé comum.

Em seguida visitei o site da instituição e a página aqui no Face. Confesso uma dose de ingenuidade, pois abria a página na esperança de encontrar um espaço de troca de conhecimento, experiência, e de liberdade do pensamento.

A primeira impressão logo ao abrir a página, se quiser ser simplório, foi de espanto. A sensação à medida que lia as postagens era de náusea daqueles dias mais sombrios em crise aguda de virose.

Não me lembro de ver/ler tanta porcaria reunida em uma única página. Imagens e vídeos preconceituosos, desrespeitosos, infames, estúpidos, e mais um sem número de adjetivos dessa ordem.

Ainda mais negativos os comentários, salvo alguns lúcidos humanos, que ainda se dão ao trabalho de pontuar a maneira deseducada como são colocadas muitas opiniões. Um amigo após acessar a mesma página confidenciou: "sem comentários".

A liberdade enquanto princípio fundamental é ali usado para achincalhar a fé alheia e aí quando se perde o valor das argumentações. O uso de um espaço público, ou privado que fosse, para demonstração de um pensar radical descabido e que não é desencorajado por aqueles que administram tal página. Exibem um fundamentalismo comparado aos grupos religiosos mais radicais.

Quando eu faço aquilo que critico deixo passar uma oportunidade de mostrar meu pensamento e me faço pior do que aqueles sobre quem mantenho divergência filosófica. A disputa, a discussão, é do campo das ideias. Deixando a cada um o direito de seguir ou mudar sua maneira de pensar e agir.

Se esse não é o pensamento de seus líderes a página, no Face, em si não deixa dúvida: a estupidez e a irracionalidade está igualmente exposta com radicalismo exacerbado e desmedido. Aquele que professa uma fé, qualquer que seja ela, e quão desprovida de lógica e razão seja, merece a mesma liberdade que reclamos por não exercer fé, duvidar dos dogmas e postulados religiosos.

Liberdade e respeito é a chave!!!


OZEAS CB RAMOS
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...