Mostrando postagens com marcador Entretenimento. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Entretenimento. Mostrar todas as postagens

sábado, 14 de maio de 2016

AS LENDAS, OS MEDOS E CERTAS LEMBRANÇAS DA INFÂNCIA




AS LENDAS, OS MEDOS E CERTAS LEMBRANÇAS DA INFÂNCIA


"Boi, boi, boi. Boi da cara preta. Pegue essa criança que tem medo de careta...". Eles, adultos, diziam que "isso" era música de ninar! Cantiga de ninar! E foi com essas e outras pérolas do cancioneiro infantil que muitos de nós adormeceu, cresceu e hoje conta estórias do passado.

Além das cantigas haviam as lendas, urbanas e/ou rurais. Para a maioria dessas lendas a função principal era educar a criança (ainda que pelo medo) para obedecer cegamente aos pais. Um objetivo quase nobre utilizando um método nada nobre.


Umas dessas lendas mais usadas no passado, ainda que passado recente, era o Bicho-Papão. Ilustre tenebroso morador dos telhados (as casas eram de telhados...) haveria de punir e pegar as crianças desobedientes e teimosas.

"Bicho papão
De cima do telhado
Deixa o meu menino Miguel
Dormir sossegado.

Vai-te papão
Vai-te embora do telhado
Deixa o meu menino
Dormir sossegado".

Em muitos, a paralisia causada era total. Em contrapartida, os pais ou cuidadores tornavam-se os protetores capazes de livrar o pequeno assustado e envolto em quase pânico, do iminente perigo de ser tragado pelo horroroso monstro de olhos vermelhos.

Há ainda as lendas que chamamos de urbanas. Ainda hoje ouço esses casos recorrentes. Uma proeminente lenda urbana é pessoas em um carro preto pegando crianças. Como muita gente desaparece nesse país, em um absurdo sem medida, e as autoridades investigam como sendo ocorrências isoladas mesmo com o crescente número de desaparecidos, a lenda se mantém atual. Crianças são desencorajadas de saírem sozinhas e o "carro preto que pega crianças" segue viva no imaginário urbano.

Esse meio de amedrontar já era comum na minha infância. Menos comum com um carro preto, eram os ambulantes que vendiam suas guloseimas pelas ruas os responsáveis por levar as crianças. Ganhava-se a obediência para não ficarmos na rua, tão comum no passado, e de quebra se evitava que o rebento pedisse dinheiro para comprar o objeto de desejo.



 

   


Vendedores de algodão doce, pirulito, taboca, licuri, quebra-queixo, eram frequentes caminhantes pelas tardes. Atraíam toda criançada que vendo aquelas deliciosas guloseimas entravam em transe! Muitas vezes a saída era associá-los a pegadores de crianças: "Cuidado que ele te pega e leva"... Como não estava na ordem do dia desaparecer, o desejo arrefecia e a paz voltava a reinar no lar, doce lar.

Bem provável que esses nobres trabalhadores, ambulantes do desejo de sustento de si e de suas famílias, nem soubessem a fama pejorativa que lhes era atribuída...

São lembranças... de um tempo que não volta mais! O tempo, esse inexorável senhor tirano, que também amedronta... Mas essa estória fica para outra hora!

.
BLOG
RASCUNHO1966
www.rascunho1966.blogspot.com.br
VISITE - CURTA - COMENTE - COMPARTILHE

.
GRUPO PÚBLICO
CRÔNICAS NORDESTINAS
https://www.facebook.com/groups/cronicasnordestina

segunda-feira, 25 de abril de 2016

GEREMIAS O velho que temia a morte




GEREMIAS

O velho que temia a morte.



Vou lhes contar o causo de um velho que temia a morte X.
Passava mal constantemente embora não fosse hipocondríaco e nem tomasse remédios apropriados ao combate dos males de quem já quebrou o vale da boa esperança. Tinha antes, na verdade, uma saúde de ferro.

Chamava-se Geremias, com G mesmo X. Dizia esse ter sido um erro do oficial no cartório no ato de seu registro, lá pelos anos de... a sua idade ninguém sabia! Atendia pelo apelido de Jeré, não como um diminuto do próprio nome e sim de jereré, um dos instrumentos da pesca que praticara durante a vida, numa das cabeceiras sertanejas do velho rio São Francisco X.

Saíra de casa ainda cedo na primeira adolescência X. Embora não tivesse natureza e índole má, deseja a vida em completa liberdade desde que lhe chegaram cabelos na venta.

Mesmo com os muitos anos mal contados e alguns esquecidos davam ao velho a certeza de que a sua hora estava finalmente chegando e que a morte estava por espreita em derredor X.

Um mal aqui, um apuro outra noite... e era essa a sua conversa que, mesmo sendo tantos acontecimentos, pareciam história repetida.

Não tinha parentes. Vivia sozinho e solitário. Gabava-se de não precisar de nenhuma ajuda e que aqueles que se aproximavam desejavam mesmo era roubar-lhe as posses X. "Poucas é verdade" - dizia ele.

Os amigos eram poucos.
Uma vizinha viúva havia pouco tempo com quem ele buscava consolo e alguma companhia para conversar.
Outro senhor também idoso que era jogador de damas e outros jogos. Contava esse que essa tarefa, o jogo por vício, era o modo como ele sustentara a família antes de ser aposentado pelo Funrural. O jogo era a sua profissão.
Outro amigo era o barbeiro que o aturava mais pela obrigação da profissão do que pela estima e amizade.
Assim contavam-se poucos amigos X.

Voltemos ao causo.
O velho se impressionava toda vez que sabia de um infeliz cuja maleficio de uma doença grave o havia dobrado numa cama ou que esse havia sido levado à óbito prematuro.

Se alguém adoecia de moléstia grave ele sentia o que pensava ser os mesmos sintomas do caso a ele relatado.

Se chegava a seu conhecimento sobre o passamento de um para santo sepulcro sentia ele a frieza da morte aproximar-se sem piedade X.
"Dessa noite não passo".
"Meu fim chegou"!
"Está tudo acabado".
"Cumpra infeliz o propósito que lhe trouxe aqui! Mas faça com brevidade e me poupe da penosa agrura".

Os conhecidos quase não escutavam mais as suas lamentações de quase morte e das dores que padecera em noite anterior ao relato.

Todos até evitavam perguntas tipo: "como tem passado sr Geremias?

Porque via de regra a resposta era sempre de uma mesma linha e começava assim:
"Nem lhe conto... Nem lhe conto! Essa noite eu quase embarquei para a terra dos pés juntos"!

Por mais que alguns repelissem essa ideia contrariando o velho e dissessem: "o senhor ainda há de viver muito e entregar muitos aos sete palmos antes de ser levado", ele nunca concordava. O seu fim era próximo.

Por fim morreu o velho amigo jogador de damas. Ele não foi ao enterro limitando-se a pedir desculpas aos familiares.
Morreu o barbeiro e nem notícias ele foi buscar.
Morreu a vizinha viúva... e tantos outros personagens conhecidos do velho Geremias.

Pelo que pude apurar, só havia um instante em que o sempre moribundo não aceitava como certa a sua partida para o além. Bastava que algum paciente e perspicaz interlocutor lhe indagasse sobre quem recairia seu testamento. "Quem vai herdar seus bens Geré"? O que o velho não titubeava:
- Ainda viverei muito! Viverei muito antes que uma alma vivente goze dos meus favores X!

Passados alguns anos, ainda vive o velho Geremias X... Nisso você pode acreditar!



OZEAS CB RAMOS
BLOG RASCUNHO1966
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966

SUA OPINIÃO É MUITO IMPORTANTE.
COMENTE - DEIXE SUA CRÍTICA, ELOGIO OU SUGESTÃO.


OZEAS CB RAMOS

BLOG RASCUNHO1966



SUA OPINIÃO É MUITO IMPORTANTE.
COMENTE - DEIXE SUA CRÍTICA, ELOGIO OU SUGESTÃO.

domingo, 10 de abril de 2016

FIQUEI RICO



FIQUEI RICO

Só falta receber a bolada que suponho ser uma milionária quantia! A chamada vultosa soma!


Ao menos é o que me garante uma crença popular e que agora tem em mim mais um defensor.


Descobri essa riqueza após duas noites mal dormidas por conta de um grilo (antes desgraçado)... que para acasalar vibra suas asas de modo frenético fazendo aquele famoso cricri...


Angustiado sem poder dormir com o barulho que vinha do telhado procurei na net uma fórmula mágica de repelente.


Já estava Grilo 2X0, pensando em evitar uma goleada jogando em casa planejava até destelhar... quando li sobre a sabedoria popular que afirma ser um presságio de sorte ter um grilo "cantando" em casa e que esse sinal prenuncia chegada de dinheiro ao cidadão bem aventurado, nesse caso - Eu.


Como a vida útil do infeliz gira em torno de seis meses, e sabendo que ele está na fase adulta... calculando... vai um... soma... multiplica....


Presumo que a minha sorte esteja já à porta. Na minha porta.


Pronto!


Rico...


Aqui pensando nos amigos e parentes. Como atendê-los na minha riqueza. 


Pensei:
Ninguém mais trabalha! Arranco mãos de todos...


Ou deixarei todos vivendo de renda... compro máquina de tear e dou pra cada um!


Perfeita essa ideia...


Como novo milionário tenho que pensar e agir como tal...


Que todos vocês sejam agraciados com um grilo cantante em suas vidas. E creiam muito, porque eu cri cri cri...


Boa sorte!


OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br

sábado, 12 de março de 2016

MÚSICA - TRISTEZA DO ZÉ


TRISTEZA DO ZÉ
Zé Miguel Wisnik / Luiz Tatit




Té que foi tão bom fugir e te esquecer
Não saber mais nem notícia de você
Com a tristeza consegui me entender
Com a saudade conviver
E com a dor não me doer

Mas aos poucos tive que reconhecer
Que a tristeza não parava de crescer
Tomou conta da cidade e do país
Tudo que é melancolia
Dizem que fui eu que fiz

É só chorar
Em Palmas, Teresina ou Jequié
Já vão avisar
Que a origem é a tristeza lá do Zé

Já não quero nem lembrar que te esqueci
Não sabia que a tristeza era assim
Que ela segue o seu caminho até sem mim
Não tem pouso nem tem fim
Se deixar vai invadir

Evitar de se espalhar bem que tentei
Mas também não é só comigo, eu reparei
A tristeza é todo mundo e é de ninguém
A tristeza ‘tá no fundo
Da tristeza eu sou o rei

Chorar, chorar
No Crato, em Cachoeiro e Macaé
Já vão avisar
Que a origem é a tristeza lá do Zé

Já não quero nem lembrar que te esqueci
Não sabia que a tristeza era assim
Que ela segue o seu caminho até sem mim
Não tem pouso nem tem fim
Se deixar vai invadir

Evitar de se espalhar bem que tentei
Mas também não é só comigo, eu reparei
A tristeza é todo mundo e é de ninguém
A tristeza ‘tá no fundo
Da tristeza eu sou o rei

Então valeu

Brasília, Diamantina e Taubaté
Canção leva eu
Vem nas asas da tristeza quem quiser

Matão, Belém
São Paulo, Maringá, Chuí, Bagé
Canção leva eu
Vem nas asas da tristeza quem quiser
Vem nas asas da tristeza azul do Zé


http://luiztatit.com.br/composicoes/composicao…





http://tvcultura.com.br/…/50689_tristeza-do-ze-por-ze-migue…

terça-feira, 1 de março de 2016

NOVELEIRO SIM!




NOVELEIRO SIM!


Quem me telefonou a noite, deve ter percebido um hábito (antigo): mesmo não estando diante da TV eu costumo deixá-la ligada após dois dos principais jornais do país. Fico “ouvindo” e quando algo requer a minha atenção eu simplesmente me viro. Não requer esse ato que esteja voltado para o aparelhinho no rack.

Várias vezes me perguntaram se estava assistindo novela... Nesse quesito eu posso afirmar ser um noveleiro! E isso desde o tempo da deliciosa novela O Cravo e a Rosa – 2000-2001. Baseada na peça teatral de Shakespeare A megera domável.

Nessa época, de tão gostosa a trama televisiva, eu largava o escritório/curso de computação, deixava uma dupla de monitores cuidando da primeira turma da noite, corria para casa a fim de tomar banho e jantar... Leia-se: ir ver a novela!






Havia certo preconceito contra homem ver novela que se expressava em gozações jocosas e eu pensava: jamais terei esse dom de entreter como ator. O que esses artistas fazem interpretando outras vidas é, na maioria das vezes, magistral. Então, com o Cravo e a Rosa, eu passei a ser noveleiro!

Ultimamente não tenho ficado ligado nas novelas. Preocupações, livros, blog pessoal, há sempre alguma coisa para onde oferecer a minha atenção. A qualidade caiu talvez refletindo a crise generalizada em que o mundo anda metido. Há um novo momento e, quem sabe, os escritores não conseguiram captar e entregar um produto de relevância.

Mesmo não acompanhando os enredos, algo tem chamado a minha atenção: cada vez mais personagens lendo, citando obras literárias, declamando poemas de escritores famosos. E isso tem sido um movimento recorrente. O que chama atenção dos telespectadores para o bom hábito da leitura.

E a novela além de entreter reproduz uma cultura a ser copiada pelo público.

Enfim, noveleiro ou não, a dica é ler!


OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

WAGNER MOURA CONCORRE AO GLOBO DE OURO 2016

WAGNER MOURA




 Wagner Moura no Wikipedia




O
 baiano Wagner Moura Concorre ao Globo de Ouro 2016 na categoria melhor ator em série de drama. É hoje, para mim, nosso melhor ator. Supera fácil a Lázaro Ramos, também baiano, Rodrigo Santoro e Dan Stulbach.

Em Nascos ele tem uma interpretação magnífica. Apesar das críticas ao sotaque, ele consegue imprimir uma marca pessoal ao interpretar o personagem, o ninguém menos que o famoso traficante colombiano: Pablo Escobar.

A Netflix acertou em manter a série que vai agora para a segunda temporada.

A concorrência será grande. Concorrem:

Wagner Moura ("Narcos")
Jon Hamm ("Mad men""
Rami Malek ("Mr. robot")
Bob Odenkirk ("Better call Saul")
Liev Schreiber ("Ray Donovan").

Boa sorte ao baiano!









OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

PALESTRA ESPETÁCULO DE ARIANO SUASSUNA





Aula espetáculo

com Ariano Suassuna


Para rir, aprender e pensar!
Gastem tempo e não irão se arrepender..
.
(Várias aulas disponíveis na internet).




OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

DIQUE DO TORORÓ - Salvador-Bahia












Hoje fui ao Dique do Tororó.

Um dos pontos turísticos mais bonitos de

Salvador-Bahia-Brazil.


Recordo de uma cantiga de roda (ou ninar como queiram):
"Fui no Tororó beber água não achei
Achei a bela Morena
Que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Se não dormir agora
Dormirá de madrugada".


Dique do Tororó:

"O Dique do Tororó é o único manancial natural da cidade de Salvador, no estado da Bahia, no Brasil, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, comumente reduzido para Dique, que possui uma lagoa de 110 mil metros cúbicos de água. É delimitada, atualmente, pelo bairro do Tororó em sua margem esquerda, pelo do Engenho Velho de Brotas em sua margem direita, ao Norte, pelo estádio Itaipava Arena Fonte Nova e, ao Sul, pelo bairro do Garcia.

É margeado pelas avenidas Presidente Costa e Silva e Vasco da Gama - que, ao Sul, convergem para a avenida Centenário e o Vale dos Barris.

Uma de suas principais características são as oito esculturas de orixás flutuando no espelho d'água do Dique do Tororó assinadas pelo artista plástico Tati Moreno, que são: Oxum, Ogum, Oxóssi, Xangô, Oxalá, Iemanjá, Nanã e Iansã, conferindo à noite uma bela iluminação cénica.

O termo "tororó" vem do termo tupi tororoma, que significa "jorro" (de água)".

https://pt.wikipedia.org/wiki/Dique_do_Toror%C3%B3



Duas imagens copiadas da Net:


Vista aérea do Dique.


Oito orixás.


Obras do artista plástico Tati Moreno:

"Os orixás representados são Iansã, Nanã, Ogum, Oxalá, Xangô, Iemanjá, Oxum e Oxossi. Os esguichos junto aos orixás, além do efeito decorativo, busca oxigenar a água".
(lembrando que o BLOGueiro não professa nenhuma fé, nem descrimina).

http://www.bahia-turismo.com/salvador/dique-tororo.htm.



Ilustração:

"Esta é uma versão colorizada, de John Ogilby, da ilustração Urbs Salvador, publicada em 1671, na obra de Arnoldus Montanus. É uma ilustração de domínio público. Embaixo, uma ampliação da parte central do desenho original".



http://www.bahia-turismo.com/salvador/seculo-17.htm.




OZEAS CB RAMOS
www.facebook.com/rascunho1966

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

DICAS DE FILMES


Fim de semana prolongado com um feriado. Sem dindim graças também a piii da greve dos bancários. Sem Miguel por aqui zoando com suas estórias sobre dinossauros, etc. Com zóios verdes longe daqui...
C@r@lho!
E o pior: sem livros!!!

Sobrou tempo para ver filmes. Aproveitei para começar a Série GAME OF THRONES.

Que para mim nada mais é do que um retrato da alma humana através de uma trama específica.
Caminhando para o final da segunda temporada.
ASSISTAM e confiram essa dica.

Outras dicas:
O nocaute - muito comum.
Divertida Mente - para ver com seu filho(a).
O LEITOR - Para quem gosta de Drama e tem paciência para vencer quase duas horas de um filme interessante.


OZEAS CB RAMOS

FILME - QUE HORAS ELA VOLTA?


QUE HORAS ELA VOLTA?

Não vi a tal interpretação que mereça um Oscar porém é sim um filme para ser visto. Recomendo.
Nada de olhos para a crítica da sociedade, das diferenças entre classes sociais, ou qualquer outra babaquice. Discurso de gente besta que se orgulha dos "entendimentos" prévios, prontos para serem usados naqueles dois minutos que precedem o happy hour na cervejada com os amigos e que não se sustentam após o terceiro copo...
Vendo esse drama, transpasse o vale, olhe além. Ao ver o filme questione a própria vida!

OZEAS CB RAMOS

quinta-feira, 9 de abril de 2015

10 DE ABRIL - CENTÉSIMO DIA DO ANO



10 de abril de 2015 - 100º dia do ano!

Dia para iniciar uma boa leitura!!!

SUGESTÕES:

1. Os cem melhores contos brasileiros do século
2. As cem melhores crônicas brasileiras
3. Os cem melhores poemas brasileiros do século

Vamos ler!!!

OZEAS CB RAMOS
www.rascunho1966.blogspot.com.br
www.facebook.com/rascunho1966


domingo, 22 de fevereiro de 2015

MAIS INTERESSANTE EM SALVADOR

Apresentando o que considero mais interessante em Salvador.
(Fotos da Internet)



Veja em
http://rascunho1966.blogspot.com.br/p/salvador.html

terça-feira, 8 de julho de 2014

sábado, 26 de abril de 2014

SARAU - COM MARIANA PAIVA

Adquirimos e em breve sortearemos um exemplar autografado do livro LAVANDA - Mariana Paiva.
AGUARDEM...



sábado, 27 de abril de 2013

DOWNLOAD PDF


Para baixar o conteúdo do e-livro (em pdf) Rascunho1966 com 66 textos, acesse:
http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/4251597


 


Não esqueça de postar aqui seu comentário.
Seja Crítica, Elogio, Dúvida ou Sugestão...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...